Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CONTRAOFACILITISMO

Blog para debater ideias que recusem o facilitismo em educação.

CONTRAOFACILITISMO

Blog para debater ideias que recusem o facilitismo em educação.

Fevereiro 24, 2011

Post sobre facilitismo e novas oportunidades do Guinote

vai-teaosprofessores

Com a devida vénia transcrevo do educarwordpress.com o seguinte artigo sobre o facilitismo e as novas oportunidades:

«Porque há dias em que não apetece sequer reagir. Aos factos e ao politicamente correcto.

Há umas semanas apresentei aqui umas imagens de respostas a um questionário muito básico que fiz numa turma de 5º ano (PCA) para espavoréu de algumas consciências e outros tantos preturiões da ética docente.

Os erros foram de tal forma pasmosos que reconsiderei boa parte do trabalho com aquela turma e revolteei sobre os mesmos conteúdos (número, género e grau dos nomes). Semanas depois voltei à mesma ficha e não é que as coisas melhoraram de forma meramente residual?

Foi logo pela primeira aula da manhã, o que me fez ficar a reconsiderar o que ando por ali a fazer e o dia todo a remoer. Mas já quase nem lhes disse nada.

Pior… cedendo às parvoíces do politicamente correcto, nem estou para digitalizar os novos disparates porque já sei que se armaria novo circo em torno do acto da divulgação dos disparates sobre a diferença entre plural singular, masculino/feminino e aumentativo/diminutivo.

Repito que estes alunos não estão sinalizados como tendo NEE. Apenas não trazem caderno em muitos casos, na maioria não distinguem ainda o lápis da esferográfica e ficam com o olhar perdido no amarelo da mesa quando qualquer coisa escrita lhes é colocada à frente para ser lida e interpretada.

Não há vocabulário básico e mesmo que se tente transmiti-lo, acham desnecessário. Consideram que o que escrevem é quase o mesmo que o certo. Em alguns casos falta o próprio acto de escrever, mas observam-me como se fosse um doidinho chalupa quando lhes digo que precisam MESMO de tentar fazer alguma coisa.

Pior, há ainda aqueles que (incluindo o que acha que, desta vez o aumentativo de rapaz é apenas )se riem e acham graça à minha evidente desesperança.

Mas o erro não está neles, verdade se diga.

O erro está na universalização do espírito-Novas Oportunidades a todo o sistema de ensino que acede às orientações da tutela em matéria da representação estatística das aprendizagens.

O erro está na culpa atribuída à ensinagem, nas palavras de alguns guronsans do eduquês.

Um espírito que garante o sucesso sem lhes dar qualquer suporte para além do professor na sala de aula e do conselho de turma em estado de choque com alunos que ainda no 2º período hesitam fortemente com a quantidade de jogadores numa equipa de andebol (a hipótese 7 surge depois de esgotados quase todos os algarismos de 1 a 9, mesmo antes do 0).

Há dias assim.»

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.