Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CONTRAOFACILITISMO

Blog para debater ideias que recusem o facilitismo em educação.

CONTRAOFACILITISMO

Blog para debater ideias que recusem o facilitismo em educação.

Novembro 01, 2016

A questão da descida dos gastos em educação para 2017

vai-teaosprofessores

No meu outro blog abelhudo-economicus analisei os recentes tiros no pé deste governo, como a lei específica para a CGD, a falta de informação do OGE entregue no Parlamento e os não licenciados que se faziam passar por; tendo achado que eram polémicas escusadas num governo minoritário. Ora na sequências da nova informação entregue ao parlamento aparece outra polémica desnecessária: afinal as despesas de educação não sobem mas descem quando comparadas com o executado em 2016 em vez do orçamentado em 2016. Mais um tiro no pé deste governo que se fosse claro e verdadeiro não passaria por estas situações de desgaste, desgaste este que não tem vindo dos seus parceiros no Parlamento, mas da inabilidade do ministro das finanças.

Se desde o início se tivesse toda a informação perceberia-se que depois de reduções no orçamento da educação entre 2011 e 2015 na ordem dos cerca de 500 milhões de euros, iniciou-se uma fase de crescimento em 2016 do orçamento da educação, que em 2017 vai voltar a cair em relação ao executado em 2016, mas que ainda assim mostra um esforço de se voltar a investir em educação da ordem dos 400 milhões de euros desde a vigência deste governo. A descida em relação ao executado em 2016 pode ter uma explicação plausível, mas quando se tenta encobrir a situação e ela se torna pública já toda a gente está desconfiada destes números e a subida do orçamentado na educação passa a ser difícil de explicar.

Concluindo há quem dentro deste governo não entenda que os truques, a sonegação de informação e a falta de transparência só prejudicam a visão que a opinião pública tem deste governo, além de que para mim este erro é um erro grave que devia levar a demissões, porque pôs em causa a palavra do 1º ministro de que haveria aumento das despesas em educação e não há. Criar desconfiança nos governados não ajuda à sobrevivência deste governo, além de neste aspeto não se apresentar diferente de muitos outros e se ter razão para dizer que são todos iguais, ajudando ao aumento da não credibilidade dos políticos.