Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CONTRAOFACILITISMO

Blog para debater ideias que recusem o facilitismo em educação.

CONTRAOFACILITISMO

Blog para debater ideias que recusem o facilitismo em educação.

Janeiro 15, 2020

A questão das aulas do século XX no século XXI.

vai-teaosprofessores

Num artigo recente o Alexandre Henriques aborda este tema. Quero aqui dar testemunho do meu caso pessoal.

Antes da interrupção letiva mandei um email à direção da minha escola a solicitar uma sala de informática para os alunos poderem realizar um trabalho, que contaria para avaliação, durante duas semanas. É uma turma dos profissionais, para quem o Conselho Pedagógico aprovou que se deveria ter no mínimo 40% da avaliação modular no âmbito do saber fazer. Além disso, a prática de execução de trabalhos pelos alunos é essencial para prepararem a sua PAP (prova de aptidão profissional no 12º ano).

Quando, no segundo período, regressámos ao trabalho passei pela direção para saber como estava a marcação. Foi-me dito que estavam a estudar o assunto e que havia um dia em que havia dificuldades de marcação, pois havia 3 candidatos à única sala livre. Estamos perante recursos escassos que inibem as aulas tipo século XXI por falta de investimento do ministério da educação.

Na primeira semana de aulas tive de alterar a programação feita por não ter sala de informática. Para a segunda semana foi-me atribuída a sala, por terem considerado que a matéria a lecionar era a que mais exigia uma aula com computadores.

Relacionando com a descentralização em curso, como o meu concelho aderiu à descentralização em educação, acho que é à câmara municipal que caberá garantir o apetrechamento de condições tecnológicas do século XXI para as escolas daqui para a frente, nomeadamente o apetrechamento de mais salas de informática que permitam assegurar um ensino diferente. A propósito deste tema o JN tem uma notícia na página 8 do dia 14/1/2020, em que explicita que a descentralização na educação deu prejuízo de 48 milhões ao norte. No corpo da notícia é dito que «todos os municípios da região apresentam um total de despesa elegível…superior a 100% da atribuída pelo OGE 2018».

Concluindo, no meu local de trabalho há rateio de salas de informática para se assegurar um ensino do século XXI. Para o futuro a responsabilidade de resolver o problema caberá ao executivo municipal e não ao ministério da educação, que faz leis para alterar o ensino, mas não deu condições para serem executadas e agora «passa culpas» para os municípios. Veremos se esta proximidade resolve o nosso atraso tecnológico, mas para já os municípios estão a financiar a educação acima do envelope financeiro cedido pelo governo que acompanha a descentralização.