Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CONTRAOFACILITISMO

Blog para debater ideias que recusem o facilitismo em educação.

CONTRAOFACILITISMO

Blog para debater ideias que recusem o facilitismo em educação.

Maio 11, 2010

As provas de aferição

vai-teaosprofessores

Como sabem, se os postes anteriores foram lidos, a minha cruzada foi contra o facilitismo e empolamento artificial das estatísticas, de que a anterior ministra foi o expoente máximo. Todos sabemos que a estrutura montada pela dita no ministério ainda mantém algumas pessoas, que a actual equipa não quis ou não pode afastar.

Vem isto a propósito das provas de aferição deste ano terem perguntas muito simples correspondente a competências do ciclo anterior. Eram poucas e podem ter justificação numa estrutura de prova que até aos 50% questione o básico e daí para cima vá tendo questões mais complexas, podendo haver mesmo 10% de questões difíceis. Ou podem traduzir a continuação de especialistas em trabalhar para melhorar as estatísticas educativas.

Inclino-me mais para a 2ª hipótese, porque algumas questões versam sobre competências básicas, mas do ciclo anterior o que mostra uma vontade de facilitar e melhorar os resultados e não aferir as matérias que deviam ter sido leccionadas. Este facilitismo leva os próprios professores a descurar as competências que deviam trabalhar e a rever matéria anterior, portanto não são um bom sinal para o sistema educativo e para analisar o trabalho dos professores nas competências do ciclo.

Não me vou pronunciar sobre as questões mais complexas, se as havia ou não, porque não trabalho com aquelas faixas etárias, mas que lá deviam estar deviam sob pena de se atribuir um 4 ou 5 a alunos que não tiveram avaliação ajustada e adequada a estas classificações.

Para facilitar institua-se um regime em que basta o aluno ir às aulas para garantir a sua progressão, valendo este item 50% da avaliação, como algumas escolas fazem e desta maneira garante-se a passagem de uma grande percentagem. Este não é o meu paradigma educativo, aposto no rigor, numa avaliação que pergunte o básico até à positiva e a partir daí vá sendo cada vez mais complexa.